As dores e delicias de “designear”! – O Cliente!

Bom dia, Criaturinhas!

Essa semana me deparei com um dilema sobre clientes. Acredito que todo profissional, seja designer ou não, encontra certa dificuldade em lidar com clientes. Principalmente quando estamos em começo de carreira.

Insegurança, nervosismo e, até mesmo, excesso de autoconfiança, são coisas que podem estremecer sua relação com o cliente. Fora a nossa terrível imaginação que faz com que caricaturemos o ser.

Pensando em tirar o estigma que a palavra “cliente” carrega e jogar a realidade nas mãos de vocês, preparei alguns tópicos que vale a pena você ter em mente antes de uma reunião ou de um contato profissional.

O cliente não é seu inimigo

Alguns designers dizem por ai que é necessário encarar o cliente como um rival para que consigamos atender as expectativas do mesmo. Não gosto dessa técnica. Criar uma boa relação e uma empatia entre você e o seu cliente é algo imprescindível! Se você vai para uma reunião com a mente de que o cara é um monstro, que é chato e que tudo o que ele pedir vai gerar mil e uma alterações e trabalho, esqueça! O clima ficará ruim, vocês terão problemas de comunicação, fora que, se você encarar todos os desafios como uma amolação, fica difícil estabelecer uma relação de confiança com seu cliente.

Tira a armadura, deixa a bazuca em casa e vá com o coração aberto. Além da carteira, o cliente possui contatos! E isso, meus queridos, muitas vezes você conquista mesmo sem conseguir o job.

Simpatia e carisma não faz mal a ninguém!

Descontos e Parcelamentos:  E agora?

Imagine a seguinte situação:

Você vai para a reunião com um possível cliente. Conversa vai, conversa vem, o projeto do cara é sensacional, vai render uma grana bacana, o cliente é simpático e você acredita que não terá muita dor de cabeça em realizar o trabalho. Tudo lindo até a hora do “vamos falar de valores!”.

Você constata que o seu trabalho ficará em R$500,00. O cliente não tem a verba disponível, pede que você abaixe o valor, um “descontinho camarada”, ele só pode pagar R$400,00. Você pensa e analisa a quantidade de trabalho, o valor que está cobrando e vê que é justo, já está com um preço legal e tal. Não irá compensar o desconto. Como fazer?

Cara Criaturinha, dizer não é saudável. Pode ser que você perca o cliente por causa de R$100,00. Mas pense, se os R$100,00 vai fazer diferença no bolso dele, porque não faria no seu? Alguns dizem, antes 400 do que nada. Eu digo, negocie.

Talvez vocês consigam chegar em um valor intermediário, que não seja sacrificante para você e que atenda a expectativa dele. Somos seres humanos e dotados do dom da fala! Use-a! Mas se realmente não estiver ao seu alcance reduzir o valor e o cliente realmente não quiser os seus serviços, não se culpe. Ele tem todo o direito de procurar algo dentro da condição financeira dele! Lembre-se, você também é cliente e sabe que o preço também é relevante! Outra, antes não pegar o job, do que fazer o serviço por um preço abaixo da sua expectativa e acabar com má vontade. Além do cliente ficar insatisfeito com o resultado final, você trabalhará horas com preguiça da coisa. Não compensa o desgaste para ambos.

Sugira um parcelamento. Existem sites que são seguros e fazem isso para você! A Mito Utiliza o PagSeguro. Rápido, fácil e indolor. Veja nosso post PagSeguro – Contra o Calote do Pagamento a Prazo e entenda como funciona.

Saiba dizer e ouvir “Não”! Seja Sincero!

Sinceridade é bom e todo mundo gosta! Principalmente seu cliente. Não ofereça produtos e facilidades que você não tem apenas para conquistar o job! Depois você ficará enrolado! Tente explicar seu trabalho com o máximo de clareza e, se não for isso que o seu cliente deseja, agradeça o contato e mantenha uma porta aberta. Se puder indicar alguém, ótimo! Mas cuidado com indicações! Só indique se você tiver certeza que for alguém bom. Indicar o carinha do boteco que disse que faz web, mas que você nunca viu o trabalho, é fria!

Ser designer não é ser um “faz tudo”. Cada um tem sua especialidade, suas facilidades e maiores domínios. Assim como um orçamento não significa um job fechado!

O cliente pode estar realmente interessado no seu trabalho, marcar a reunião, mas o custo é inacessível ou não é exatamente o perfil que ele precisa. Não pregue o coitado na cruz! Ele tem todo direito de não aprovar seu trabalho, assim com você tem todo direito de recusar o job!

Não Seja Ganancioso! O que vai pode voltar!

Não pegue o que não da conta! Acredite, prazo e importante para a imagem de qualquer designer, principalmente se você for freelancer!

Não caia na onda de “é só inventar uma desculpa que está de boa!”. Isso queima seu filme e acaba com a paciência do cliente! Fora que um atraso implica no atraso de toda a grade. Peça prazos com folga, margens de segurança. Antes entregar antecipado do que atrasado, certo? Outra dica é manter sua grade atualizada e ao alcance.

Consulte ela antes de pegar um job e agendar. Não adianta pegar 20 trabalhos que demoram 5 dias cada, e prometer todos em 5 dias. Clientes pedem alterações, imprevistos acontecem, enfim! Seja sensato. Se necessário, divida com os amigos. Um cliente que reconhece sua honestidade, provavelmente voltará em uma hora mais oportuna ou negociará um prazo mais flexível com você!

 

O grande conselho:

Respeite seus limites e respeite os limites do seu cliente! Seja simpático até quando for falar não, afinal, educação é algo que primordial!

=D

Anúncios

As dores e delicias de “designear”! – O salário!

Boa noite, criaturinhas mitológicas!

Depois de algum tempo sem novos posts, voltei com uma coisa que vi de forma unânime nos blogs de dicas para designers. Em muitos dos primeiros passos e dicas do que é ser um designer vêm acompanhado de tópicos como:

  • Onde encontrar freelas
  • Como cobrar
  • Seu portifólio
  • Apresentação
  • Criatividade
  • Seus clientes

Entre outros…

Mas acredito que a resposta para esses temas acabaram se tornando “universal”. Claro que algumas dessas perguntas terão respostas bem genéricas como “quanto cobrar”, mas acredito que nós da Mito podemos dar uma mãozinha mais pessoal nessas questões!

Quanto se ganha?A pergunta que não quer calar: GANHA-SE BEM?

Quando estava na faculdade, acreditava que essa profissão futuristica iria me possibilitar trabalhar lindamente de all star, jeans e trazer muitos dinheiros no bolso!

Massss… Quantos dinheiros??? Vou enriquecer???

Caro amigo aspirante a designer milionário… A resposta para isso é sim e não. Graças a Deus,  Design Gráfico é uma area ampla! Emprego é uma coisa que praticamente não falta no mercado! Porém, se tratarmos de salário, a coisa pode mudar um pouco de forma. O seu salário vai variar muito dependendo de qual segmento você trabalhar, de qual a sua formação, quais os cursos complementares, qual a sua disponibilidade, se você realmente tem talento, sua experiência e (como em todas as áreas) uma indicação muito boa ou sorte!

Costumo brincar com as pessoas que me perguntam sobre isso falando que é uma profissão de meia idade. Porque? Porque se valoriza muito sua experiência! Tanto quanto o talento e a criatividade.

MAS NÃO SE DESESPERE!!!

Essas eram as dores! Agora trazemos as delicias!

Essa é uma profissão que te dá mobilidade social! Você não precisa ficar restrito a uma agência ou a uma empresa padrão. Você pode trabalhar tanto com baladas como em hospitais! E isso, poucas profissões irão te proporcionar!

Outra coisa que vale a pena considerar: trabalhar em casa. É uma das melhores áreas para home office, autônomos e afins. Você vai fazer seu preço, seu horário, sem chefes, etc! Fora que te ajuda a conhecer muita gente! Gente de toooooodo tipo! E se você for uma criaturinha cheia de contatos, cara, você estará no céu! Todas as profissões que lidam com algum tipo de venda acaba demandando uma parte considerável de carisma, e se você já tiver isso, metade do cliente você já conquistou!

MAS QUANTO SE GANHA???

Bom, a profissão ainda não é regulamentada. O que isso significa? Que não é necessário fazer uma faculdade para ser Designer. Isso é ruim para algumas pessoas e ótimo para outras. Mas isso ficará para um outro post! No nú e cru financeiro, significa que ainda não temos um piso nem um teto salarial. Sendo assim, as empresas podem pagar quanto quiserem.

Aqui em Belo Horizonte, um designer com bom conhecimento em CorelDraw e Photoshop, por exemplo, ganha uma faixa de R$ 700,00 para trabalhar periodo integral.

Para quem tem um conhecimento mais avançado, pacote Adobe (Illustrator, Photoshop, Indesign), CorelDraw e uma experiência bacana consegue tirar uns R$1500,00.

Claro, gente… isso é uma média. Pegando como referência as vagas que tenho visto por ai.

Quando comecei a trabalhar na área, no primeiro periódo da facul (a 5 anos atrás), ganhava R$500,00 para trabalhar periodo integral, 6 dias por semana, em uma loja que trabalha com estampas de camisetas e uniformes. Você deve estar pensando: putzzz, que exploração! Mas depois, o aprendizado que tive lá realmente compensou muito! Fora que meu contato com o cliente era direto.

ENTÃO…

Minha dica é: defina seu propósito, suas metas e escolha o caminho mais curto e/ou o mais prazeroso para sua ascenção profissional! E se não for esse, mude! Você está num campo versátil, amigo! Aproveite!