As dores e delicias de “designear”! – O salário!

Boa noite, criaturinhas mitológicas!

Depois de algum tempo sem novos posts, voltei com uma coisa que vi de forma unânime nos blogs de dicas para designers. Em muitos dos primeiros passos e dicas do que é ser um designer vêm acompanhado de tópicos como:

  • Onde encontrar freelas
  • Como cobrar
  • Seu portifólio
  • Apresentação
  • Criatividade
  • Seus clientes

Entre outros…

Mas acredito que a resposta para esses temas acabaram se tornando “universal”. Claro que algumas dessas perguntas terão respostas bem genéricas como “quanto cobrar”, mas acredito que nós da Mito podemos dar uma mãozinha mais pessoal nessas questões!

Quanto se ganha?A pergunta que não quer calar: GANHA-SE BEM?

Quando estava na faculdade, acreditava que essa profissão futuristica iria me possibilitar trabalhar lindamente de all star, jeans e trazer muitos dinheiros no bolso!

Massss… Quantos dinheiros??? Vou enriquecer???

Caro amigo aspirante a designer milionário… A resposta para isso é sim e não. Graças a Deus,  Design Gráfico é uma area ampla! Emprego é uma coisa que praticamente não falta no mercado! Porém, se tratarmos de salário, a coisa pode mudar um pouco de forma. O seu salário vai variar muito dependendo de qual segmento você trabalhar, de qual a sua formação, quais os cursos complementares, qual a sua disponibilidade, se você realmente tem talento, sua experiência e (como em todas as áreas) uma indicação muito boa ou sorte!

Costumo brincar com as pessoas que me perguntam sobre isso falando que é uma profissão de meia idade. Porque? Porque se valoriza muito sua experiência! Tanto quanto o talento e a criatividade.

MAS NÃO SE DESESPERE!!!

Essas eram as dores! Agora trazemos as delicias!

Essa é uma profissão que te dá mobilidade social! Você não precisa ficar restrito a uma agência ou a uma empresa padrão. Você pode trabalhar tanto com baladas como em hospitais! E isso, poucas profissões irão te proporcionar!

Outra coisa que vale a pena considerar: trabalhar em casa. É uma das melhores áreas para home office, autônomos e afins. Você vai fazer seu preço, seu horário, sem chefes, etc! Fora que te ajuda a conhecer muita gente! Gente de toooooodo tipo! E se você for uma criaturinha cheia de contatos, cara, você estará no céu! Todas as profissões que lidam com algum tipo de venda acaba demandando uma parte considerável de carisma, e se você já tiver isso, metade do cliente você já conquistou!

MAS QUANTO SE GANHA???

Bom, a profissão ainda não é regulamentada. O que isso significa? Que não é necessário fazer uma faculdade para ser Designer. Isso é ruim para algumas pessoas e ótimo para outras. Mas isso ficará para um outro post! No nú e cru financeiro, significa que ainda não temos um piso nem um teto salarial. Sendo assim, as empresas podem pagar quanto quiserem.

Aqui em Belo Horizonte, um designer com bom conhecimento em CorelDraw e Photoshop, por exemplo, ganha uma faixa de R$ 700,00 para trabalhar periodo integral.

Para quem tem um conhecimento mais avançado, pacote Adobe (Illustrator, Photoshop, Indesign), CorelDraw e uma experiência bacana consegue tirar uns R$1500,00.

Claro, gente… isso é uma média. Pegando como referência as vagas que tenho visto por ai.

Quando comecei a trabalhar na área, no primeiro periódo da facul (a 5 anos atrás), ganhava R$500,00 para trabalhar periodo integral, 6 dias por semana, em uma loja que trabalha com estampas de camisetas e uniformes. Você deve estar pensando: putzzz, que exploração! Mas depois, o aprendizado que tive lá realmente compensou muito! Fora que meu contato com o cliente era direto.

ENTÃO…

Minha dica é: defina seu propósito, suas metas e escolha o caminho mais curto e/ou o mais prazeroso para sua ascenção profissional! E se não for esse, mude! Você está num campo versátil, amigo! Aproveite!

Anúncios

[Diagramação] A Importância do Grid

Depois que fizemos o catálogo da Unilever desejei compartilhar meu carinho pelo grid aqui no blog. Eu poderia falar muitas coisas sobre o assunto, mas para não gastar tudo de uma vez, escolhi começar pelo começo. Você sabe para que serve o grid? Descubra agora!


Grid? Pra que serve isso?

Sabemos que a arte da diagramação é, no geral, quase matemática. Não se diagrama uma página dispondo os elementos de forma aleatória. Em uma estante, as prateleiras ajudam a separar os livros, para que eles não pareçam amontoados e tenham um mínimo de harmonia visual. Do mesmo modo, se é preciso organizar as informações e as imagens em um determinado espaço é necessário ter parâmetros e referências para essa organização.

Na editoração eletrônica, ou diagramação, quando vamos organizar os elementos em uma ou várias páginas, utilizamos o grid, a “prateleira” do nosso trabalho. Ele é dividido em linhas e colunas que irão servir de referência para a utilização do espaço de forma a facilitar o trabalho de diagramação e possibilitar combinações e composições de elementos, deixando cada página organizada e mantendo a unidade visual do projeto gráfico.

Socoooorro! Olha o grid ali!

Primeiro: O grid não é um monstro. Segundo: ele é seu amigo! Você sabia que definir um grid te ajuda a não cair nas garras da página em branco? Agora que vocês já foram apresentados é preciso te ensinar mais uma coisa. O grid não é seu chefe. Ele é seu assistente. Ele vai estar lá quando você tiver dúvidas sobre onde colocar uma imagem, sobre como distribuir os blocos de texto. Ele é flexível! Ele não diz: “olha, amigo diagramador, você só pode colocar imagens nesse espaço aqui, viu?”, ele apenas te sugere: “é melhor você não colar esse texto naquele, porque vai ficar ilegível. As pessoas precisam de áreas de descanso, porque os olhos entendem muita informação colada como se fosse um monte de lixo.”.

Ou seja, o grid vai te mostrar as milhares de possibilidades e combinações possíveis de composição de uma página sem que o seu livro, revista, folder ou outro produto pareça um Frankenstein. É como os filhos de uma mesma família: Você reconhece que eles são irmãos, que têm o mesmo material genético, mas cada página pode ter a sua personalidade, o seu caráter, a sua roupa e seus atributos físicos.

Devemos entender o grid, portanto, não como limitação, mas como um guia. Um prédio pode ter vários andares, mas a cobertura é sempre diferenciada, os andares inferiores podem ter varandas… Ainda assim, cada morador mobilia e decora seu apartamento de acordo com o seu bom (ou mau) gosto. Se o grid te oferece a estrutura de uma organização funcional é a sua criatividade o que vai tornar cada bloco de informações interessante e atrativo. O leitor quer explorar cada página com os olhos como se estivesse vendo uma paisagem única. Lembre-se disto!

Tá… Mas como eu configuro um grid?

Para aprender a fazer bem feito é preciso observar e entender como e por quê as coisas são feitas. Você consegue identificar o grid utilizado em uma página ou publicação?

Enquanto não ensinamos a configurar um grid no InDesign CS5, aproveite para fixar os conhecimentos adquiridos. Veja as apresentações do slideshare, analise as páginas de revistas, livros, encartes e publicações e tente identificar como o grid foi utilizado. Isto vai ser de grande utilidade para que você, antes de configurar um grid, saiba qual é o tipo de grid que se adéqua melhor a cada projeto gráfico.