Conceito

Minha querida sócia e parceira da Mito Freelance, a Marianna, tem deixado dicas bem interessantes aqui no blog. Ela tem um conhecimento e experiência grandes na área e muitas informações práticas para dividir com vocês. Eu, como sou mais teórica, devo falar um pouco mais sobre processos, métodos, estruturas e fontes para aprofundar seus conhecimentos.

Algo muito importante para a criação de determinadas peças, como logotipos, projetos gráficos, identidade visual e campanhas publicitárias é o conceito. Este é o tema de hoje. O conceito é aquela idéia que vai sintetizar todas as sensações, impressões, estilo, aparência e finalidade de uma comunicação. A partir de um conceito podemos criar peças complexas com a certeza de que iremos satisfazer a grande parte das expectativas do cliente com a criação.

Determinar um conceito não é tarefa fácil. É preciso intuição, perspicácia, bagagem cultural e visual, além de entender o objetivo do cliente com o que ele te pede para criar. Depois de fazer um briefing, pesquisar a concorrência e o público alvo da empresa ou pessoa que solicita o serviço é interessante des-organizar as idéias na sua cabeça, até chegar em uma palavra ou frase que resuma as coisas mais importantes a serem comunicadas, bem como a forma que estas coisas devem tomar. Para isto você pode usar alguma ferramenta de mapas mentais, como o XMind, por exemplo, que é gratuito e ainda pode ser aproveitado para se planejar a estrutura ou o mapa de um site.

O processo é simples: escreva toda e qualquer palavra chave ou informação relevante que vier à sua cabeça quando pensa sobre o trabalho a ser feito. Depois, tente resumir tudo aquilo na palavra chave mais importante, que condensa a maioria das outras coisas pensadas. Este, provavelmente, é o conceito. Quando estiver criando a arte, se tiver dúvidas sobre usar ou não determinada cor, imagem, ou fonte, volte ao conceito e veja se o elemento combina ou se encaixa nele. Não tem nada a ver? Mude. Escolha outra fonte, troque as cores, analise a peça como um todo e pense novamente no conceito. Tudo certinho? Apresente ao seu cliente e fique feliz, pois ele vai pedir pouquíssimas alterações (com exceção dos clientes indecisos e mais exigentes, que podem pedir diversas alterações, mesmo quando você tem plena certeza que a arte está perfeita e funcional).
Anúncios

Cartaz – E agora?

É comum aparecer uma maré de interrogações na cabeça quando vamos fazer um cartaz. Muita informação, muita imagem, pouco espaço… e agora?

Algumas dicas podem ajudar a resolver:

Cartazes quase nunca serão minimalistas… Exceto cartazes de filme, que geralmente agrupam grande quantidade de informação em letras pequenas na base da arte… veja bem: GERALMENTE! (lembre-se: Inovar é preciso e necessário, desde que racionalmente!)

Selecionando as informações principais

Embora o cartaz ao lado tenha uma quantidade média de informações, ainda assim costuma ser difícil conciliar a disposição delas, dando o devido valor as mais importantes.

Primeiro pese o que precisa ter maior destaque:

Nome do evento, empresa que está realizando o evento, data, banda, artista ou atração principal.

Essas informações aparecerão em destaque, juntamente com as imagens que ligam a ela. No caso do nosso cartaz, o foco era a banda Claro Enigma. Escolhemos centralizar a foto da banda no cartaz e diagramar os outros elementos ao redor.

Informações secundárias

Informações secundárias são aquelas que vem em menor destaque, menor tamanho e em cores um pouco mais chamativas para, mesmo sendo menores, atraírem a atenção do leitor.

Seriam elas outras bandas ou eventos (no nosso caso, o DJ), promoções, valores, informações especificas e que são necessárias.

Essas informações, geralmente, aparecem na parte inferior do cartaz, em tamanho menor e fontes mais sólidas.

Outras informações

Textos como Postos de vendas, apoio, patrocinadores, aparecem com menor destaque. São praticamente dados fixos, que precisam constar e que não precisam funcionar como “chamariz”. São notícias que se vendem por si só, que serão de interesse do leitor. Alguns clientes te pedirão para colocar o apoio ou patrocinador em maior destaque, mas isso varia de acordo da participação do mesmo no evento, se é expressiva ou nem tanto… se é um apoio extremamente importante ou exigente.

Suas Informações pessoais

Agora vem as menores letras do cartaz. Não que não tenham importância, mas que serão procuradas apenas pelas pessoas que realmente procuram aquela informação. Isso não quer dizer que em um cartaz A2 você irá colocar uma letra Arial 3pt para o nome e os dados da agencia de eventos! Lembre-se: Bom senso é algo fundamental!

Uma dica é não passar do tamanho 24. O que irá mandar na fonte é o tamanho do cartaz.

Não se esqueça de se promover! Colocar sua logomarca e seu contato é importante… É uma forma de fazer o seu merchan e divulgar seu trabalho! Mas é claro que você não colocará seus dados maior do que os do seu cliente, né?!?!

Não se assuste se encontrar clientes que falem “o que é isso???” quando lerem o seu humilde numerozinho ao lado da arte! Existem sim clientes assim…

A Impressão…

O ultimo e que, na grande maioria das vezes, gera muitas dores de cabeça para o designer e o cliente é a impressão. Escolha uma gráfica de qualidade. Não adianta escolher a que tem o “precinho camarada” e a qualidade sai meia boca. Isso vale também para os nossos senhores clientes!

O preço nem sempre é o diferencial, caros amigos!

Você é o que você vende! Se você paga pouco por um material bem feito é perfeito! Porém, abrir mão da qualidade em função do preço (que geralmente tem pequena diferença) é abrir mão do seu cliente!

Outras informações

Evite fazer cartazes com gramatura menor que 120 gr. Gramaturas menores dificultaram o manusei e terão uma durabilidade muito menor.

Evite usar fontes serifadas. Elas dificultam a leitura rápida.

Use cores! Elas são válidas e vão te ajudar a dividir e qualificar as informações! Mas com bom senso, ok?

É sempre válido consultar outros cartazes. Não estou incentivando a cópia, mas acredito que todos os designers que se prezam tem uma bagagem visual boa!

No mais é isso! Mais duvidas: mitofreela@gmail.com!

Cartão de Visitas – Brigadista

Uma duvida muito comum para quem está iniciando no mundo das Artes Gráficas é como fazer o tão temido efeito de profundidade e volume!

Existem N formas de fazê-lo, mas, ao meu ver, a mais simples e que pesa menos é usando Bitmap.
Note que no cartão abaixo, a magueira, a lamina do machado e a tocha possuem esse efeito.

Como criar efeitos de profundidade rapidamente e com qualidade.

1- Depois de vetorizar a imagem,  faça uma linha acompanhando o silueta de onde houver a profundidade. Eu prefiro pegar a parte mais escura para trabalhar o volume, pois geralmente é a parte menos predominante.

2- Coloque a espessura da linha de acordo com a espessura da profundidade.

3- Depois de acertar a cor, converta em Bitmap.

4- Vá até o menu Bitmaps>Desfocar>Desfocagem Gaussiana.

5- Vai aparecer um pop-up na tela para que você controle o aumente a desfocagem. Movimente a seta ou acrescente os valores e clique em visualizar. Acompanhe o resultado e escolha o que se adequar melhor a sua imagem. No meu caso, o raio ficou em torno de 15 pt. Cada parte será distinta, claro… uma vez que cada caso é um caso!

6- Depois, basta colocar as desfocagens em power clip.

OBS: no caso da tocha, foi necessario criar uma forma geométrica para conseguir o efeito desejado. Foi criado uma forma similar a um trapézio e depois feito o procedimento acima, aplicando a forma desfocada dentro do trapézio.